A Fazenda

    Durante as férias e em todo feriado, o casarão ficava lotado de amigos e parentes. Também pudera, que família grande! Por parte da anfitriâ Neusa, 11 irmãos, 11 cunhados e cunhadas e uma média de três filhos cada. Por parte do anfitrião Luiz Fabio, nove irmãos, nove cunhados e cunhadas, a mesma média de filhos e ...bom... prepare-se para arrumar atividades para os hóspedes!

    Assim, de um casarão antigo, de terras ainda pouco produtivas, de um cenário de desmatamento em um lugar cheio de significado para a família e de um desejo obstinado de um engenheiro eletricista em transformar-se em um fazendeiro de verdade... nasceu um espaço para lazer e descanso, onde o resgate das origens é inevitável, onde se cultivam as relações e o contato concreto entre o homem, os animais e a natureza.

    Registros do casarão datam sua construção no ano de 1830. Fotos e outros documentos indicam que a mesma casa estava há alguns metros abaixo muito antes disso e que fora transferida para facilitar o acesso d’água. Seu estilo colonial, as madeiras e pedras que sustentam a casa nos fazem remeter à época em que eram precisos braços muitos e fortes para se erguer um império.

    Entretanto, o que dali hoje emana é a riqueza de uma transformação verde. A certeza de que bons frutos se colhem onde se plantam boas sementes e de que a natureza responde com generosidade àqueles que se dedicam com paciência e cuidado à sua manutenção.

    A história da Fazenda São Pedro começa em 1830. Decidimos, porém, iniciar nosso relato em 1973, mais de um século depois, no período que vou batizar de o renascer da Fazenda São Pedro.

    Foi naquele ano que Luiz Fabio de Arantes, engenheiro formado havia quatro anos, com a ajuda de seu pai Oswaldo Vilela Arantes, nascido muito próximo dali, decidiu comprar a fazenda da família Meirelles.

    Neusa e seus filhos Luiz Osvaldo (Zô), Fabíola e Luiz Henrique (Ike).

    Em 1976, após um período de reformas de manutenção a família já completa passa a freqüentar a casa.

    E para fazer de sua produção algo produtivo, começaram também as obras em torno do cultivo do café.

    Apesar de ser uma casa em meio ao verde, não haviam árvores no seu entorno. Árvores e animais àquela época existiam para servir aos homens e... enfeites não eram necessários... Bem, não até então, pois foi esta a grande transformação que a fazenda passou por estes 40 anos.

     

     

    A semente plantada por Seu Oswaldo e Dona Orozina
    em Luiz Fabio finalmente ganhava forma.

    A fruta adorada por Neusa, o pêssego, dava em abundância no pomar e logo as taxadas de doce de pêssego tornaram-se rituais de encontro familiar. O mesmo acontecia com as goiabas, onde a goiabada cascão era venerada como sobremesa, comida no prato junto com leite cru.

    Outra coisa venerada entre toda família é a Serra do Papagaio e em especial a pedra final. Passeios, cavalgadas, missas e aniversários foram e são comemorados lá no alto até hoje.

    Em 1982 a primeira represa foi construída. E, como sempre, toda obra vira uma grande diversão.

    Troncos de bananeira viram jangadas, bambus viram os remos e a imaginação faz o resto...

    Esta sou eu, Fabíola e o Ike em uma competição onde perdi o remo e o rumo!

    Em 1983, a fazenda foi o palco da missa de 50 anos de casamento de Seu Oswaldo e Dona Orozina. (Esquerda)
    Em 1994, aconteceram as bodas de prata de Luiz Fabio e Neusa. (Centro)
    Em 2002, diante do altar do São Pedro, foi que Fabíola e Fabio sacramentaram seu casamento. (Direita)

    Em 1995, a Fazenda abriu suas porteiras para receber hóspedes dentro do turismo rural.
    O renascer verde aconteceu. Hoje quase não se vê a casa... 



    Há também a história dos cães e dos bichos.
    Contudo, será um outro capítulo que gostaria de compartilhar com você.
    A essa altura me apresento como narradora. Sou Fabíola Arantes, filha de Luiz Fabio e Neusa, mãe de Maya.
    Aqui, do meu paraíso particular, entre meus amores eternos, faço-lhe o convite para participar desta história. 

     

     

    Última atualização (Qui, 16 de Setembro de 2010 16:51)